LULA E O ‘LEILÃO DO ARROZ’

LULA E O 'LEILÃO DO ARROZ'

O tal ‘leilão do arroz’ é uma imoralidade. De repente, a solução “sábia”, do governo Lula, começou a cheirar muito mal. E aí Lula resolve anular o leilão. Quase uma autocrítica, quase o reconhecimento público de que esse tristemente famoso “leilão” era uma negociata deslavada!

Lembra a piada do homem que chega mais cedo em casa e flagra sua esposa fazendo sexo com um “Ricardão” qualquer. O homem se recupera, cria a “coragem” máxima que os frouxos conseguem…e expulsa o “Ricardão” do recinto ‘sacrossanto’ do seu lar’.

Chama o porteiro e, com a generosidade das grandes almas, dá a ele, de presente, o excitante sofá. Depois, carinhosamente, pega a mulher pelas mãos, não sem antes lançar a terrível ameaça: “não repita isso até completarmos 15 anos de casados e renovarmos, solenemente nossos votos de união, felicidade e fidelidade: “se você errar de novo, vingar-me-ei usando o porteiro ou o coroa bonitão do 9º andar”.

E se pôs ao leito, enquanto a esposa pintava as unhas e dizia: “combinado, marido lindo, mas com uma condição: “você vai lá no ‘leilão de arroz’, suborna alguém e traz um saco para mim. Adoro saco cheio de arroz”.

Foi refeita a felicidade, quando o enérgico marido retornou com o robusto saco, lotado de arroz.

A correta esposa urrou de alegria, porque adorava ter sua casa e sua vida, ornadas com o saco de arroz. Quase uma mania! E mandou o maridão comprar outro sofá, do mesmo tamanho e cor daquele outro, famosa testemunha ocular de muita história.

Falando em história, neste post não tem nenhuma!
Tem verdade: O LEILÃO DO ‘ARROZ’ FOI MAIS UMA DESABRIDA NEGOCIATA A SER ACRESCENTADA ÀS FARTAS FOLHAS DO AUTOR E DOS CO-AUTORES FUNDAMENTAIS.

Voltando ao casal: o novo sofá era maior, mais largo, infinitamente melhor e mais conveniente que o anterior.

A mulher pulou de alegria. O homem sentia os ventos da paz lhe acariciarem a face. O porteiro, ambicioso, exultava: “esse sofá ainda vai ser meu”. Afinal, “cesteiro que faz um cesto, faz uma centena”.

Trazendo para o nosso indigitado país: infelizmente, não será, a do arroz, a última negociata a tomar dinheiro e vida dos brasileiros!

Gostaram da epopeia do arroz envolvido com desvio de dinheiro público? Muito mais feia que a mulher, o sofá, o marido abobalhado, o casual (?) ‘Ricardão’, não? A negociata do arroz só não envergonha os governantes que não têm vergonha mesmo!

SAIR DA TEIA DE ARANHA

SAIR DA TEIA DE ARANHA

Muito dificilmente o governo Lula cumprirá as metas de superávit primário. Essa verdade só seria desmentida se houvesse um PRATICAMENTE IMPOSSÍVEL AUMENTO DE ARRECADAÇÃO.

O limite de 2,5% do PIB, para o crescimento dos gastos federais, não creio que seja cumprido, com um presidente demagogo e eleitoreiro e uma equipe econômica anódina e obediente a um líder que não está preparado para enfrentar os desafios exigentes que levem à redução da dívida pública, relativamente ao PIB. Logo, as expectativas realistas descartam um verdadeiro equilíbrio econômico e o crescimento sustentável, de 4% ou 4,5% com inflação bem baixa, de no máximo 2% ou 2,5% ao ano.

O que é possível e provável, muito infelizmente, é o surgimento de uma perigosa crise fiscal, embalada por forte crise da dívida pública.

Falo assim, porque não vejo sinal nenhum de ajuste das contas públicas. Vejo a gastança prevalecer. Não sinto, porém, nenhum sinal de austeridade, nenhum projeto estratégico de previsão e contenção dos gastos públicos

Outro problema preocupante, até pela força dos lobbies que o sustentam, é o Orçamento ser demasiadamente vinculado, obrigado a cumprir os compromissos com setores governamentais, ainda que alguns deles possam estar em situação de desnecessidade de, pelo menos, parte do percentual a ele destinado por lei.

De recursos orçamentários, que não sejam obrigatórios, temos, no máximo 10% do orçamento. Logo, algumas providências precisam ser tomadas de imediato: a) Congresso se por em brios e rediscutir cada item das verbas vinculadas; b) fazer a reforma do Estado, cortando esses imorais 38 Ministérios, para tocar o Brasil com, no máximo, 20 entidades ministeriais; c) mexer em mordomias públicas, que de nada servem para melhorar as vidas dos brasileiros; d) cortar qualquer possibilidade de empréstimos a qualquer país, com ênfase nos falidos, como a Argentina; e) privatizar a Petrobras que, em mãos empresariais, desonerará o Estado de custos e compromissos, hoje, federal. E, livre da politiquice, saberá e poderá, inclusive, fazer, com sabedoria, a transição do petróleo, com os dias contados, para formas não poluentes de energia. Deixará de ser um cabide de empregos e uma reserva de ‘mercado’ da corrupção, para virar uma gigante no estilo de VALE, CSN e EMBRAER; f) privatizar todas as mais de 140 estatais remanescentes, com exceção para as que trabalharem em estratégia militar; g) retomar o projeto essencial das reformas estruturais e montar um leque de reformas microeconômicas, tornando o Brasil mais leve e produtivo.

Isso resolve tudo? Claro que não. Mas aumenta o caixa nacional na direção do equilíbrio fiscal.

IGNORÂNCIA, MÁ FÉ E DESAMOR PELO BRASIL

IGNORÂNCIA, MÁ FÉ E DESAMOR PELO BRASIL

Começo com o notável e economista Armínio Fraga, opinando sobre os muitos problemas da Economia e da Sociedade brasileiras: “os piores erros são aqueles pequenininhos, mas que se repetem durante muitos anos”.

Temo que o atual presidente do IBGE, Márcio Pochman, já esteja agindo nesse órgão tão respeitado, que não pode ficar à mercê de quem seja capaz de maquiar números. Pochman já foi acusado desse delito, quando o mesmo Lula o guindou à presidência do IPEA. Temo, de novo, que ele, que não tem sequer qualificação técnica para dirigir IPEA e IBGE, que agora faça coisa pior. Um maquiador contamina qualquer tentativa de se planejar o país. Indago: Lula, nomeando Pochman de novo, depois do ‘papelão’ que fez no IPEA, está sendo tolo duas vezes ou Pochman estaria no IBGE precisamente para oferecer os números que o chefe lhe encomendar. Pensemos, todos juntos, nas dificuldades que isso traria/trará para a economia, o planejamento e a vida de nossa gente!

Vamos lá: “PIB aponta crescimento de 0,9%.” Fake! É desrespeito à imprensa e é a cara de Pochman. Monitor do PIB- Fundação Getúlio Vargas, a acatada FGV, mostra crescimento de 0,2%, para o mesmo segundo semestre deste ano.

Ou seja, o crescimento, na verdade, o crescimento real fica entre 0,2% e 0,4%, NUNCA em 0,9%. E aí pergunto: é de se confiar na FGV ou num Márcio Pochman, que teve passagem tão infeliz pelo IPEA. Pergunto de novo: no fundo não estariam querendo que o Banco Central embarque na canoa furada de Pochman na hora tão nevrálgica, de decidir sobre as taxas dos juros básicos, ou seja, a taxa Selic?

Não seria Lula e Haddad montando esquema espúrio de pressão por juros mais baixos, sem amparo na técnica, na realidade, na Teoria Econômica que ambos desconhecem por inteiro?

Lula não consegue compreender a importância do BACEN SOB A BATUTA DE UM ECONOMISTA PREPARADO E CHEIO DE ESPÍRITO PÚBLICO. Usa um Pochman, porque Campos Neto jamais seria manobrável!

Um exemplo final: a “opinião de Pochman” sobre o Pix, é pra ser estudada por médicos da área psiquiátrica, psicanalistica, psicológica. Um simples exemplo do vendaval que temos pela frente!

FUTURO INCERTO

FUTURO INCERTO

Em 8 dia corridos, o dólar variou + 2,75% e o euro, + 2,31%. A questão é que as taxas de inflação norte-americana e européia, sem ancoragem, continuam representando ameaça à estabilidade dos preços de ambas as regiões.

Inundaram seus países de dólares e euros, gerando enorme liquidez, que se transformou em inflação, obrigando as duas regiões a aumentar suas taxas básicas de juros, com reflexos imediatos sobre outras moedas, a começar pelo Real. Graças a Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central autônomo, a economia não experimentou toda a incompetência da dupla Lula/Haddad.

Campos Neto, com suas medidas corretas e técnicas, possibilitou uma trégua no desmanche do Brasil. Foi o principal responsável pelo controle momentâneo da inflação, sem comprometer as contas públicas. Em 2022, governo @jairbolsonaro ainda, Brasil, mal saído da pandemia, conseguiu crescer 2,9%, correspondendo isso à geração de 2,7 milhões de empregos.

Uma boa herança para o governo do mirabolante “arcabouço de ‘Haddad” e da tragicomédia que apelidam de “reforma tributária” é que não passa de pressão sobre a carga tributária, ameaçando colocar o consumo em estado de coma e provocar desemprego e subida forte da inflação.

A FORMÚLA DO DESASTRE

A FORMÚLA DO DESASTRE

Guido Mantega levou governo Dilma à falência, em conjunto com “herança maldita” do 2º governo Lula. Foi o pior Ministro da Fazenda que Brasil já teve. Inflação de 14 %, rebaixamento de juros “por bondade” e humilhante recuo dessa “bondade”, tendo sido obrigado a elevar juros outra vez.

Lula, absurdamente, coage a Vale, através da ‘golden share’, que foi cláusula da privatização dessa hoje gigante exportadora, empresa privada que paga grandes impostos e emprega milhares de pessoas no Brasil, a nomear presidente o incompetente e muito acusado de negociatas, Guido Mantega.

Isso é crime de lesa-Brasil. A Vale, simplesmente, não aceitará entregar sua previdência a um homem despreparado, que sequer serviria para professor de cursinho de vestibular para Economia. Correta e brilhante, na crítica a esse despautério, foi a jornalista Raquel Landim, da CNN!

RESPEITEM O IBGE! POCHMANN NÃO!

RESPEITEM O IBGE! POCHMANN NÃO

Lula anunciou que Marcio Pochmann será o próximo presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Péssima escolha, por sinal!

Passou por cima da ministra Simone Tebet, do Planejamento, que não poderia ser humilhada e nem deveria aturar desrespeito de ninguém.

O economista Edmar Bacha, um dos criadores do Plano Real e ex-presidente do IBGE, declarou: “Pochmann tem visão totalmente ideológica da economia. E poderá colocar IBGE a serviço dessa ideologia, como fez no IPEA. Estou ofendido, como ex-presidente do IBGE”

A competente economista Elena Landau, em entrevista ao Estadão, foi clara como de hábito: “É um dia de luto para a estatística brasileira”. Elena fez muito pelo país, no campo das privatizações e da contemporaneização de nossa economia.

O sábio jornalista Boris Casoy foi fiel ao seu estilo: “Pochmann não tem credibilidade. Junto aos agentes da economia brasileira. Pode ter muita credibilidade em determinados círculos de caráter ideológico, cujo olhar é para trás e não para adiante”.

O jornalista Valdo Cruz escreveu, em sua coluna do G1, que o clima no planejamento é de ‘derrota profunda’ com a ida de Pochmann para o IBGE.

Pochmann dirigiu o Instituto Lula e da Fundação Perseu Abramo, do PT. Economista atrasado e até esquisito em suas “propostas”. Foi presidente do IPEA e, nessa época, defendeu reforma tributária que extinguisse PIS e COFINS, que incidem sobre o consumo. E, beirando a estultice, sugeriu um sistema de Imposto de Renda que cobrasse alíquota de 60% de quem tivesse renda acima de R$ 50 mil mensais.

Pochmann críticou o Pix que, em apenas seis meses após ser lançado, ultrapassou transações de TED, DOC e boleto no País. O “peculiar” personagem afirmou que, com o Pix, o Banco Central “dava mais um passo na via neocolonial”. Asnice dita com pose é caso quase de interdição”.

Presidiu o IPEA com viés ideológico e disposto a servir a Lula, a qualquer custo. Esse moço não cabe no IBGE, que não merece um presidente que lhe quebre a reputação e a tradição de números cercados de credibilidade, fundamentais para o planejamento e autoconhecimento da realidade do país!

Indago: além da democracia relativa, passaremos também a inflação relativa e, no fim do ano, a contabilidade relativa e criativa?

LIMPE SUA ALMA

LIMPE SUA ALMA

Lula, você está enfermo. Precisa se tratar: “extirpar bolsonarismo”, alimentar-se de um ódio que corrói sua saúde física e mental.

Você dedica um rancor anormal a Jair Bolsonaro. E a verdade é que ele nunca lhe perseguiu. Adversários se criticam mutuamente. Mas você o persegue. Lembro-lhe que, na rumorosa CPI dos Bingos, que depois virou uma das mais amplas investigações que já vi, não permiti que convocassem seu Secretário Particular, por não admitir nada que se parecesse com a “República do Galeão”, que levou Vargas ao suicídio.

Verdade que nunca poupei seus erros. Era líder da oposição ao seu governo e meu papel foi cumprido à risca: vigiar seus atos 24 hs/dia.

Sua digna e falecida esposa mandou plantar uma bandeira do PT no Palácio do Alvorada. A imprensa em peso queria uma declaração que me neguei a dar.

Estava em Ottawa, quando assassinaram Celso Daniel. Liguei para você e José Dirceu, apresentando condolências.

Não vinculei o caso Daniel a ninguém, até porque seria leviano afirmar algo que não me parecia justo fazer.

Ouvi, na CPI, as declarações candentes da viúva de Toninho do PT e mantive a postura sóbria de não fazer factóides e irresponsabilidades. Agora, considero deploráveis suas atitudes.

No triste caso Marielle, você e seus acólitos querem artificializar a inculpação de Bolsonaro e de um dos seus filhos, a qualquer preço. Agem com o ódio suplantando o coração.

Tem um suspeito preso, que deve estar sendo pressionado, de todos os modos, pra você alcançar um objetivo sádico e torpe.

A imprensa me pedia uma fala sobre seu filho e minha resposta era uma só: não me ocupo de Lulinha. Tem muita gente fazendo isso. Meu alvo são erros graves, comprovados, do presidente Lula.

Será que você vai macular sua imagem obscura, ainda mais, apontando culpados e encarregando sicários engravatados de arranjar as “razões” da culpa?

Seja justo, sóbrio e decente. Não faça de Marielle uma peça de seu jogo político. Aja como eu agi com sua esposa, seu filho, seu Secretário Particular e os assassinatos de Celso e Toninho.

Eu não tinha provas, logo agi como meu caráter mandava. Faça o mesmo. Limpe sua alma.

LUTA É PRA SER LUTADA

LUTA É PRA SER LUTADA

Vi o “pacote da democracia”, anunciado por Lula, representando seus acólitos do ódio e da pequenez. Falcões mirins!. Quem mais tem atentado contra a democracia é, precisamente, o próprio presidente amargo, rancoroso e ativo turista do nada.

Governo que troca ministérios por votos, que não tem lisura no trato com parlamentares e, menos ainda, com o povo brasileiro. Gabinete frágil, política econômica desastrada, política externa além do ridículo.

De democrata não tem nada. Irracional e autoritário, folclórico, festivo, rancoroso, tudo ao mesmo tempo.
Governo que não governa e nem suporta críticas. Amigo de ditaduras, num misto de perversidade e alienação.

O que desejam com esse pacote descabido? Impor medo a quem dele discorda? Calar vozes, cercear o direito de livre expressão? Pois não tenho medo de nenhuma grosseria dessas. Não calarei. Enfrentei todos os generais que se revezaram no poder, entre 1964/84. Não recuaria agora diante de arreganho vergonhoso e desmoralizante.

Tem gente com medo de ministros da Corte Suprema. Ora, sempre a vi como o recurso mais nobre da justiça. Se deixarem de ser, não hesitarei em criticar qualquer um, no tom que se fizer necessário.

Tenho amigos queridos lá, que não deixaria jamais de criticar, na hora em que essa crítica se fizesse, ou se fizer, uma exigência da honra, da convicção de que a democracia não pode ser prostituída por ninguém, pela convicção que tenho de que minha vida está à disposição de sicários que matam com a caneta. Mas a democracia não estará jamais à disposição de ninguém.

Pela certeza de que poder excessivo não dura muito. E repito: não temo poder caricato de ninguém. A nação inteira deve repudiar esse “pacote” da mesquinharia, da covardia, do abuso de autoridade, antidemocrático dos pés à cabeça.

Povo não pode ir às ruas protestar contra incompetência, corrupção, desvios de toda sorte dos amigos que pagam contas, dos favores, de seguidos tapas na cara da Constituição, das liberdades e do dever de lutar pela normalidade e pelo silêncio de déspotas pouco esclarecidos?. Vamos lá! Luta é pra ser lutada. Melhor riscos serem de quem luta e diz um NÃO altivo e irretratável a abusos que nos travam a respiração!

SOBRE HUMANOS E ANIMAIS SELVAGENS

SOBRE HUMANOS E ANIMAIS SELVAGENS

Lula chama, quem ele quer, de “animais selvagens”. Em 2009/2010: “precisamos extirpar o DEM da política brasileira”. Veja, Lula, o DEM não só não foi extirpado como hoje é o União Brasil. Você diria que o UB necessita ser extirpado?

Lembra, Lula, da palavra de ordem do “comando” petista, em 2000, quando Fernando Henrique governava o Brasil e meu muito querido Mário Covas dirigia SP? Esqueceu?

Pois vou refrescar sua privilegiada memória seletiva. Privilegiada, quando se trata de ódio e vingança. E se atrapalha todo quando o tema é construtivo!

Refresco sua memória: a palavra de ordem do PT era “governo deve apanhar NAS RUAS e nas urnas”. Aí vocês forjaram uma greve e agrediram o então governador Mário Covas FISICAMENTE!

COVAS estava em fase adiantada do câncer que “extirpou” sua vida avassaladoramente.

Lula, você se lembra quando o PT e outros partidos, adoecidos, que vivem em torno dele promoveram quebra-quebra, portas, móveis, vidros, na Esplanada dos Ministérios?

Lula, você se lembra da tentativa de invasão de Ministérios e da invasão completa do Ministério do Planejamento? Colocaram uma galinha na mesa do Ministro, esqueceu?

Lula, vocês são seres piedosos ou animais selvagens? Reflita, nem que seja pela primeira e última vez: você tem ideia do mal que está fazendo ao país?

CONTO DO FIM DO ENDIVIDAMENTO

CONTO DO FIM DO ENDIVIDAMENTO

O “projeto” de Lula, supostamente visando a limpar os nomes que contraíram dívidas entre 2019/2022, ‘coincidindo’ com os 4 anos de Jair Bolsonaro, não é simples como sugerem os propagandistas de uma falsa realidade.

Os problemas começam com a taxa de juros de 1,99% ao mês. Percentual tão elevado, que supera a própria Selic mensal, que é de 1,01%.

Temos, na verdade, cerca de 80% das Famílias endividadas, muito em função da pandemia: perderam empregos e suas demais possíveis fontes de renda. O Brasil praticamente parou em torno de 30 meses. Todos sofreram, o setor de serviços, que é o mais gerador de empregos, paralisado, ficou impedido de cumprir seu nobre papel.

Bolsonaro e Paulo Guedes montaram programa de apoio às empresas e aos empregos, minorando sensivelmente o estrago.

Lula só pensa em gastar, até com Argentina e Venezuela. Está no mundo da lua. Haddad fecha uma janela para os gastos e abre um portão para farra da gastança. A fragilidade do tolo “arcabouço” e a frágil e injusta reforma tributária em exame congressual, juntos e mesmo com a tributação draconiana que pretendem impor, não darão conta do desafio do ajuste fiscal, sem o qual nosso país se afogará. Só falam em despesas e em gastar… enganam o povo e a eles próprios também.

Está na hora, então, de falarem sério com as pessoas. Chega de demagogia e incompetência. Basta de enganar brasileiros que merecem crescer e não morrer!

O programa de incentivar venda de carros populares foi um fracasso. Duas grandes locadoras de automóveis ficaram com quase tudo. Depois, começaram a falar em incentivo à aquisição de eletrodomésticos, justamente na hora de se decidir o que é incentivo bom e incentivo fútil. O instinto da gastança irresponsável vence de lavada a ‘capacidade’ de essa gente raciocinar sistemicamente, prevendo impactos, consequências, perdas versus ganhos de cada projeto desses, inventados do dia pra noite.

Fiquemos atentos ao que pode ser o “conto do fim do endividamento das pessoas negativadas”.