FUTURO INCERTO

FUTURO INCERTO

Em 8 dia corridos, o dólar variou + 2,75% e o euro, + 2,31%. A questão é que as taxas de inflação norte-americana e européia, sem ancoragem, continuam representando ameaça à estabilidade dos preços de ambas as regiões.

Inundaram seus países de dólares e euros, gerando enorme liquidez, que se transformou em inflação, obrigando as duas regiões a aumentar suas taxas básicas de juros, com reflexos imediatos sobre outras moedas, a começar pelo Real. Graças a Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central autônomo, a economia não experimentou toda a incompetência da dupla Lula/Haddad.

Campos Neto, com suas medidas corretas e técnicas, possibilitou uma trégua no desmanche do Brasil. Foi o principal responsável pelo controle momentâneo da inflação, sem comprometer as contas públicas. Em 2022, governo @jairbolsonaro ainda, Brasil, mal saído da pandemia, conseguiu crescer 2,9%, correspondendo isso à geração de 2,7 milhões de empregos.

Uma boa herança para o governo do mirabolante “arcabouço de ‘Haddad” e da tragicomédia que apelidam de “reforma tributária” é que não passa de pressão sobre a carga tributária, ameaçando colocar o consumo em estado de coma e provocar desemprego e subida forte da inflação.

POLÍTICA DE HADDAD COM “P” “MAIÚSCULO”

POLÍTICA DE HADDAD COM “P” “MAIÚSCULO”

“P” de “mensalão” não pode, porque essa palavra maldita começa com “m”. “P” de promiscuidade entre governo e certos parlamentares? Afinal, o ministro, depois de conversar com deputado Arthur Lira, afirmou que “é a volta da política com “P” “Maiúsculo”. Então vamos lá: “P” de plus (aumento) no dinheiro das “emendas PIX”? Ou seria “ P” de passar ministérios para o ‘Centrão’.

“P” de pilhéria com o futuro dos brasileiros? “P” de pacote tributário que foi votado às carreiras e que só tem aumento da carga tributária para os nossos patrícios? “P” de perversidade com um povo que paga muito imposto, sem receber benefícios efetivos dos serviços públicos. “P” de pequenez ao lidar com o mercado financeiro, que fria as riquezas que permitem o enfrentamento real à pobreza. “P” de pascácios, que são contra reformas estruturais, não fazem as microeconômicas, não reconhecem o valor do BACEN autônomo?

“P” de preço pendurado no pescoço e na consciência ?” “P” de “petrolão”, que tungou R$ 1 trilhão da Petrobras? “P” de punição zero aos atores desse crime horrendo? “P” de perseguição a adversários políticos? “P” de preferência a ditaduras sanguinárias? “P” de falta de projeto estratégico para o país”. “P” de equipe econômica Paupérrima em conhecimento e atualização em economia? “P” de que, ministro, enfim. Seria de ‘Precipício’? Explique aos brasileiros, por favor!

ARCABOUÇO DE HADDAD: DESASTRE ANUNCIADO!

ARCABOUÇO DE HADDAD: DESASTRE ANUNCIADO!

Essa nova estrutura de ‘Política Fiscal’ não prevê controle das Despesas Correntes (Pessoal e Encargos, Juros, Bens e Serviços) obrigatoriamente devidas à população: saúde, educação, máquina pública e também as Despesas de Capital: Investimentos, Inversões Financeiras e Amortização da Dívida. E não prevê punições para administradores que extrapolarem nas Despesas.

Condicionam crescimento das Despesas com o das Receitas… Mas poderão aumentar Despesas antes do aumento das Receitas.
Em suma: governo Lula virará “torcedor”, rezando para receitas conseguirem fechar cada novo rombo dos muitos que surgirão. Mas, entretanto, contudo, todavia, se não cobrirem… não haverá nenhuma punição aos infratores. A população, sim! será punida, sobretudo pela inflação que ressurgirá com muita fome.

Nada sabem acerca dos Ciclos Econômicos de Bonança e de Arrocho, como é característica do sistema capitalista de produção.

O Governo surfa e desperdiça herança que recebeu: PIB de 3%, Inflação de 5% e Relação Dívida/Pib em 73%. Tem contado com o impecável e austero desempenho do economista Roberto Campos Neto, presidente com mandato do BACEN autônomo, que Lula e Haddad tanto odeiam. Roberto Campos, avô: “a ignorância sempre é ousada”. E essa turma “boa” ainda tem contado com a política monetária dos EUA, que derrubou o dólar em todos os continentes. Alerto que isso é efêmero!

O Brasil anda no fio da navalha. Se se cortar, brasileiros, como sempre, arcarão com a conta, Aliás, já estamos pagando, porque, como as Despesas se relacionam com a “torcida” pelas Receitas, até os mortos pagarão impostos, taxas e contribuições de todas as cores e tamanhos!